Posts Tagged ‘Poemas’

A noite será devagar

outubro 25, 2009

Bem, aqui estou eu de novo ouvindo as boas e velhas músicas de novo, sentindo tristeza, a boa tristeza à moda antiga em que as lágrimas não chegam a sair, bom, ouço mais um pouco.


A mente pode consumir quantidades mágicas de memória enquanto a noite se desdobra noite adentro, enquanto outro charuto é aceso, como se pode ficar terrivelmente amuado quando velhas músicas seguem-se uma às outras, rostos são lembradas, rostos jovens, como fatias novas de uma maçã ,estão mortos agora, quase todos eles mortos agora.


A aparente beleza e a aparente bravura, se foram.


Sentado aqui permitindo que meus melhores sentidos sejam diluídos pela melancolia, um homem velho, lembrando de novo, olhando de cima a baixo o bar imaginário cheio de assentos vazios, pensando naquela criança com os loucos de olhos vermelhos que sentava lá enchendo o copo e enchendo e enchendo e enchendo de novo ao ponto da imbecilidade, agora lembrando, ouvindo de novo, permitindo a idiotice entrar de novo, somos todos idiotas para sempre, idiotizados para sempre, alegremente, agora.


Sempre ele, Charles Bukowiski, o nome do poema é o título do post.

Anúncios

Vadiando

setembro 10, 2009

bukowski028

Terminar sozinho no túmulo de um quarto sem cigarros nem bebida- careca como uma lâmpada, barrigudo, grisalho, e feliz por ter um quarto. …de manhã eles estão lá fora ganhando dinheiro: juízes, carpinteiros, encanadores , médicos, jornaleiros, guardas, barbeiros, lavadores de carro, dentistas, floristas, garçonetes, cozinheiros, motoristas de táxi… e você se vira para o lado pra pegar o sol nas costas e não direto nos olhos.”

Poema Aos Meus 43 Anos de Charles Bukowski.

Depressed Tweety Blue Eyes

março 25, 2009

piu-piu

Volta amanhã realidade!

Basta por hoje, gentes.

Adia te, presente absoluto.

Mais vale não ser do que ser assim.

Extraido do poema Grande São os Desertos de Fernando Pessoa. Coitado do Piu Piu.