Posts Tagged ‘Opinião’

Descontruindo o construtivismo

novembro 12, 2009

Esse tipo de trabalho me lembra os tempos de recortes de revistas no jardim de infância, em que a gente recortava as fotos das revistas Vejas e Super Interessante velhas e montava umas imagens prá lá de divertidas.

Na verdade, esse tipo de arte existia muito antes de eu nascer, foi criada na Russia lá no início do século, se chama constutvismo Agora em 2009 surge um ilustrador que veio para renovar esse movimento, munido das melhores ferramentas gráficas que a tecnologia pode oferecer, Jullian Pacaud cria cenas modernas, absurdas e em alguns momentos desprovidas de sentido.

Confere aí.

Anúncios

Arte pela arte

novembro 5, 2009

Quem foi que disse que apenas na gringa a gente encontra aquelas ótimas intervenções urbnas, obras de arte pra lá de modernas que nos fazem sentir em outro mundo.

Então Porto Alegre caminha em direção a este maravilhoso mundo novo, para começar temos a Bienal do Mercosul, galpões do cais do perto estão cheio de instalações que ninguém entende o real valor e útil daquela obra. Imagino a cena de um ônibus repleto de fedelhos do ensino fundamental que vão até o porto visitar a amostra, a molequeda se diverte pelos pavilhões não se importando muito com expressões tão importantes para os artistas: conceito, estética, simbologia, nada disso – mas chega um momento que vai ter alguma coisa que vai chamar a atenção de algum deles, infelizmente ele não tem parâmetros para analisar o que seus estão enxergando, então esse moleque pergunta a sua professora “tia porque esse monte de areia aqui dentro e porque aquela Kombi cheia de guarda-sóis em volta?”.

Infelizemente a professora não vai saber responder, nem você, nem eu.

Mas parece que o espírito da arte non sense se espalha para cidade, olha o que aprontaram no bairro Glória aqui de Porto Alegre, o autor da façanha não foi encontrado ainda.

Sinceramente, de coração, vai se ferrar…

outubro 21, 2009

Rebeldia e liberdade.

Dois adjetivos que são usualmente usados para caracterizar os jovens, dois adjetivos que definem muito bem o trabalho do fotógrafo e skatista Toni Takai. Ao melhor estilo live fast and die young ele demonstra muito bem a atitude de uma geração, muito diferente do que vemos seguidamente na publicidade ou em novelinhas como Malhação.

Olha aí.

Há uma luz que nunca se apaga

outubro 21, 2009

Se a gente for tomar como partido a paz a qualquer custo, podemos dizer que este anúncio cumpre muito bem o seu papel.

Mas se paramos para analisar este anúncio por um minuto ou dois vemos umas pequenas distorções, na verdade omissões, que é muito diferente de mentir. A campanha criada pela Air de Bruxelas (isso que tá virando um blog belga) tem como chamada mãe “A chama da Anistia Internacional está se apagando, defenda-a. Compre uma vela”

Tudo muito bonito, imagens fortes, de momentos de tensão, arminhas coloridas que soltam jatos de águas são seguradas por oficias do exército do Zimbabwe, terroristas islâmicos e até mesmo em um tanque checheno. O que me incomada e muito é que essa campanha se passa em pulgueiros do terceiro mundo, contra ditadores que não contam com nenhuma empatia da opinião pública internacional, aquela velha história de chutar cachorro morto. Você nunca vai ver nestas campanhas um caça israelenses bombardeando áreas civis na palestina  ou mariners “brincando” com prisioneiros afegões. O que me leva a pensar que por mais que o “eixo do mal” se esforce, essa vela vai permanecer acesa por muito tempo.

Claro, política internacional pode parecer um assunto pra lá de xarope, mas fica em foco quando uma séries de anúncios como este começa a circular pelo mundo, coincidência ou não, exatamente não época em que um presidente americano ganha o Nobel da Paz por coisas que ele ainda não fez.

E digo isso, sendo um grande admirador de Barack Obama.

Imitassamba

outubro 20, 2009

sony_bravia_balls

Vamos fingir que o novo filme da Aquarius Fresh – a água com sabor da Coca Cola – não é imitação, para não dizer plágio, do premiadíssimo comercial da Sony Bravia. Garrafas ou bolinhas de borrachas caindo ladeira a baixo, por favor.

Só esqueceram de trocar o santo, São Paulo não é São Francisco.

Confere aí e tire as tuas conclusões.

Detonando em Bruxelas

outubro 20, 2009

Imagine alguém que deseja abrir um restaurante em Bruxelas, talvez não seja tão fácil encontrar alguém com este sonho, mas existe.

Bem, o cara simplesmente tem que se esforçar muito no conceito do projeto, afinal a capital belga é reconhecida mundialmente pelos seus ótimos cafés e restaurantes das mais variadas cozinhas. Bem, então lá vai o cara, monta todo o projeto, estilo do menu, decide o chef de cozinha, o estilo de atendimento, design dos ambientes e por aí vai.

Para deixar a coisa mais hype, o cara decide convidar um dos escultores mais conceituados da Europa, o francês Xavier Veilhan, que promete fazer algo bem bacana para o seu restaurante. Passam algumas semanas e o tal do Xavier apresenta o esboço da escultura, que simplesmente ocupa os dois andares do restaurante. Ele argumenta que vai ser algo extremamente vanguardista, mas que pra realizar a obra, vai ter que arrebentar o teto do restauarente, detonando a fiação e tubulação do local, e que tudo isso vai custar uns 100 mil euros, fora o cachê.

Parece uma situação bem absurda, mas tem gente que topa.

Xavier VeilhanXavier VeilhanXavier Veilhan

As cartas de Van Gogh e os registros póstumos do Facebook

outubro 19, 2009

Van Gogh - Quarto do Artista

Esses dias caiu nas minhas mão um artigo muito interessante. Sinceramente, eu não me lembro onde foi e muito menos quem escreveu, de qualquer jeito, ele me chamou a atenção para um fato muito importante que simboliza muito bem os tempos  modernos.

A reportagem falava dos pais de um garoto americano que morreu em um acidente de carro, um drama que acontece há muito tempo e em qualquer lugar do mundo. Fatalidades acontecem, o curioso é que hoje em dia quando alguém morre, ele deixa muita coisa registrada -Orkut, Twitter, Facebook, blogs e outras redes sociais que deixam ali nossos pensamentos e sentimentos- o que torna o seu perfil uma espécie de altar virtual. Os pais do rapaz usam a página do Facebook para se sentir mais perto do garoto, leram seus recados, pesquisaram as suas comunidades e aplicativos que ele usava, tudo na tentativa de entender a intimidade do filho, uma maneira desesperada e ao mesmo tempo compreensível de não deixar a pessoa querida ser esquecida. O problema é que o tempo passou e o casal não superou a dor, pois vivia uma ambiguidade. O  filho estava morto no mundo real, mas vivo no virtual.

Senti isso ao receber a notícia da morte uma amiga, não eramos muito próximos, mas mesmo assim senti aquele gosto ruim da perda, que chega amargo na boca e se espalha no estômago assim como um licor ruim. Fiquei muito triste com o que ocorreu e sabe a primeira coisa que eu fiz? Foi acessar a página dela no Orkut, lá vários scraps de amigos e parentes, falando diretamente para ela como se ela ainda estivesse viva, lamentando junto com ela a sua morte, apenas dois scraps foram o suficiente para dar um nó na minha garganta.

O que me leva a fazer diversas perguntas: o que deve ser feito com estes perfis? Existe alguma política dentro do Google por exemplo em relação a conta de uma pessoa que morreu e levou a sua senha com ela; e a família tenha o direito de encerrar o perfil? Você pode perceber que quando o assunto é morte, nada é fácil.

Para linkar o assunto, fiquei sabendo que o Van Gogh Museum disponibilizou todas as cartas escritas e recebidas pelo pintor holandês. Um registro importante não apenas por ele ser um dos maiores artistas da história ou por ele nunca ter vendido um quadro durante a sua vida, mas sim, por deixar registrados seus pensamentos numa época em que as pessoas não deixavam muitas coisas pra trás quando morriam.

Muito diferente de hoje.

O idiota do ano

outubro 16, 2009

Depois de Luciana Gimenez, o Brasil exporta para o mundo mais uma pessoa que se deu bem na vida por trepar com a pessoa certa.

Mas,  felizmente nem todo mundo aceita bem isso. No Twitter,  o fiasco do “DJ” Jesus Luz estar fingindo tocar no Green Valley em Balneário Camboriú não colou, isso porque um outro DJ, de verdade mesmo, o alemão Tocadisco postou no seu Twitter que o filho de Deus estava apenas encenando enquanto a música tocava, no momento em que um outro sujeito fazia o trabalho sujo escondido. É o que mostra a foto abaixo.

Jesus Luz, você não é DJ.

A cidade dentro da cidade

outubro 16, 2009

Volta e meia aparece alguém criando algo inusitado em Nova York.

Todo mundo sabe que a cidade é um formigueiro de gente tentando se dar bem, legal e ilegalmente e com artistas não seria diferente. Profissionais de todas as áreas buscam a grande maçã para obter grana e reconhecimento, exatamente como acontece no mundo do futebol – para 1000 pessoas que tentam, apenas uma e olhe lá, vai alcançar as glórias que o sucesso oferece.

O que não falta também é gente retratando NYC, o que acaba criando millhares de cidades dentro de uma cidade. Há a Nova York de Sex on The City:  um desfile de vestidos caros, prédios altos, mulheres que caçam um novo casamento e homens que não sabem compreendê-las, como também existe a NYC de Taxi Driver: com suas ruas sujas e fedorentas, transbordando de psicopatas que buscam em cada esquina sua próxima vítima.

Surgiu a pouco tempo a Nova York do fotógrafo Rodolfo Vanmarcke, que faz coisas simples como fotografar poças de água com lentes de aumento, ou até mesmo com a câmera virada. Gestos comuns e já repetidos na história fotografia, mas que de qualquer jeito, criou uma Nova York nunca antes imaginada.

Cretinice ecológicamente sustentável

outubro 15, 2009

Não é mais novidade para ninguém as frases: “deixe um mundo melhor para os seus netos” ou “salve o planeta”.

Claro que ninguém é contra esta nova consciência ecológica que está sendo cultivada nas grandes corporações, afinal, todo mundo sabe que a situação é critica e fazer algo contra o aquecimento global, sem dúvida nenhuma, é melhor do que não fazer nada.

Por anos, pessoas (isso inclui eu e você) e empresas jogaram a culpa na sociedade ou nos governos, sempre é assim, mas sempre nos esquecemos que fazemos parte da sociedade e quem elege os governantes somos nós.

O problema é que as frases citadas no primeiro parágrafo estão sendo utilizadas para vender de tudo: máquina de lavar, cimento, gasolina e principalmente carros. A indústria automobilística que está se abraçando em jacaré para não se afogar, faz uso dessa chantagem de salvar o mundo com seus carros, mas todo mundo sabe que na prática pouca coisa está sendo feita.

Para exemplificar o que eu falei, posto aqui a ótima campanha da montadora Dentsu da Filipinas, recém saída do forno. Ótimo texto, ótima arte, mas na real, o que eles tem feito para ajudar?

Completando… veja o clipe dos belgas do Soulwax com Ny Excuse (punk house da melhor qualidade) que mostra as cifras do nosso consumo desenfreado, e já sabe, quando falo “nosso”, também falo tanto de mim quanto de você.

dentsuregret